O Início de Suzanna Prado

Por Suzanna Prado

Levei uma amiga para conhecer um clube de swing. Ela achou tudo aquilo um pouco moderno demais para ela. Porém, divertiu-se em ver meu entusiasmo e desenvoltura.

Voltamos para casa por volta das 5h da manhã. Estávamos cansadas, mas eufóricas. Sentamos no tapete persa macio de casa, cada uma com seu suco na mão. E a conversa fluiu solta!

Eu queria saber a impressão dela sobre o “mundo swinguer”. Sem mais nem menos, ela virou e disse: você ama o sexo, deveria acompanhar!

Eu, ingenuamente, não compreendi. Pedi que me explicasse. E ela o fez com todas as letras. Dei uma gargalhada, me assustei!

– Tenho empresa, dinheiro, carros, família, cursos universitários, residência própria, berço, filho.. . Por que faria isso?, perguntei.

Categoricamente ela respondeu: a sensação de poder combinada com prazer.

Eu não sabia nem por onde começar. Ela foi me indicando passo-passo. Entrei em um chat de bate-papo. Foi incrível!

Dia seguinte, já tinha meu primeiro cliente. Um Slave estava agendado para às 15h em um motel da região Zona Sul de São Paulo. Meu nervosismo não era aparente, porém, eu estava transpirando de ansiedade.

A vantagem é que eu já dominava a arte do BDSM.

Cheguei. Subi as escadas. E encontrei um oriental franzino. Aparentemente, estava muito nervoso. Aí, tomei conta da situação.

Tratei de colocá-lo no “X”.

O chicote estalou feio!

E literalmente usei dele (rs).

Quando cansei, mandei ficar na cama para o “facesitting”. Logo em seguida, veio a tão esperada “chuva dourada”. E ele explodiu de prazer.

Fomos embora. Ele todo marcado de tanto apanhar (rs). Na época, eu não dominava tantas técnicas.

Fiquei assustada por ter conseguido. Mas, indignada com a tal satisfação de poder! Minha amiga estava coberta de razão.

A Suzanna Prado começava a ser construída. E até hoje esse processo ainda se desenvolve. Sou um eterno ser mutante. Aprendendo com todos que passam por aqui.

Aproveito para deixar meu eterno agradecimento pelo carinho e admiração de cada um de vocês.

Afinal, um a um, são fonte de inspiração para uma profissional cada vez mais diferenciada e qualificada!

Obrigada.

Suzanna